quinta-feira, 27 de agosto de 2009


CONFUSÃO MENTAL

Enquanto sento na areia
Eu penso olhando adiante: "O mar nunca pára"
Ele não dorme!
Mesmo com ressaca

Eu, ao contrário
Prometo nunca mais ingerir
Bebidas alcoólicas
E remédios para dormir

Aliás, dormir é muito bom!
Pra quem não tem vontade de acordar
Pra quem sofre de sintomas de depressão

Mas acordar é necessário
E saio de casa apressado
Ainda calçando meus surrados sapatos

Ao sair, a primeira coisa que vejo
É o sol virado em minha direção
Enviando-me luz, mesmo contra a minha vontade
Esquentando meu coração

Quando chega a hora do almoço
A fome aparece e eu me sinto mais vivo
Percebo que tenho necessidades
E que existe um corpo que vive comigo

Não sou apenas uma cabeça pensante
E que, por tantas vezes, só, pensa merda
E fica distante

A fome passa e o trabalho volta a chamar
E as tarefas são sempre bem sucedidas
Tudo na sua devida medida

Bato o cartão
Saio feliz em direção ao portão
Chego na minha condução
E desço na minha estação

Prima Vera me anúncia
Vejo a família reunida
Comida na mesa e a televisão ligada
E o jornal passando as notícias do dia

Como feliz foi meu dia
Como o mar que não pára
Como o sol que não desiste
Como a luz que irradia

Mente só
Insegurança
Pós-operatório e confusão mental
Casa de Misericórdia
Até mesmo no Natal
E ponto final!

DANIEL BEDOTTI SERRA

10 comentários:

Márcio Vandré disse...

Engraçado que mesmo na rotina podemos ver algo novo.
E talvez isso que motive o abrir dos olhos a cada dia.
O novo.
A próxima esquina que terá algo.
Expectativas.
Vida e morte.
Vida.

Boa reflexão a sua.
Estou retribuindo a visita.
E sim, sou de Fortaleza.
Bom lugar para morar!
Abraço.

Tempestade disse...

Daniel,
Muito interessante seu jogo de palavras que descreveu tão bem um dia e nossa rotina.
Muitas vezes não paramos pra prestar atenção no nosso cotidiano, pois tudo se torna tão automático.
A sonoridade do texto também me chamou a atenção, natural vindo de um músico e uma pessoa que escreve.
Enfim, maravilhoso!
Beijos Tempestuosos!

Lisa Nunes disse...

Daniel
gostei muito do teu poema:)
tenho sofrido de insônia e me identifiquei com esses versos:

"Eu, ao contrário
Prometo nunca mais ingerir
Bebidas alcoólicas
E remédios para dormir
Aliás, dormir é muito bom!
Pra quem não tem vontade de acordar
Pra quem sofre de sintomas de depressão"

1aBraço []'

Chica disse...

Escreves muito bem e passaste por várias das nossas rotinas.Eu adoro sentar e olhar o mar e ele não para nunca.Lindo isso tudo!abração,chica

raTo! disse...

Enquanto o mar não pára
O sangue em teu corpo ocntinua correndo
livrando-te de mais um desespero
Em uma noite de Lua Clara...

...é assim, a vida não pára.

Prity disse...

belíssimo.
Agora que acordei para literatura e para a grana no bolso, vou procurar o livro A cabana.

Gisele Freire disse...

Gostei daqui viu Daniel, eu volto ;)
Gi

Palma da Mão disse...

Vim conhecer o espaço e gostei, vim também agradecer a visita e o carinho das palavras, prometo voltar, e volta sempre também, a porta está sempre encostada, a vida é mesmo isso, 4 belas estações, recheada de corpos e sentimentos, que se cruzam, se complicam e descomplicam...basta pensar que sim...
Beijinhos

Anne Lieri disse...

Daniel,uma belíssima poesia!Eu adoro seus textos pois sempre nos fazem refletir por trás de toda a sensibilidade e lindeza que passa!E quanto ao Recruta Zero,me lembro dele sim!Era muito engraçado!Fico feliz em despertar lembranças de infancia!Abraços,

E.Suruba disse...

Eu parei de ingerir alccol aos 9 anos...
bom fds!
bela poesia!
é sério vc escreve bem!
bjos