domingo, 19 de outubro de 2008


ÀS MOSCAS

Eu escrevo às moscas
Porque ninguém dá atenção àquilo que tenho a dizer
Mas tenho a sensação de que não passo por elas sem chamar atenção
Mesmo que não dêem o braço a torcer

Não adianta ler o que escrevo
Se não conseguem entender
Mas aprendi há algum tempo
Que não se cobra o que não podem te oferecer

Eu gostaria que me oferecessem mais educação
Gostaria que me oferecessem mais solução
Menos imprecisão
Mas, governado por moscas, vive nossa nação

Uma nação tão bela quanto a Bela Adormecida do desenho
Pois é bela por fora
Anda movida apenas pelo sopro do vento
Mas há 500 anos está adormecida por dentro

Não se move
Nada novo se discute
Parece até a rotina daquele velho relacionamento
Que com medo não anda, apenas segue se mantendo

Pois assim têm-se a sensação de solidez
Mas que aos finais de semana
Cansado da mosca que te acompanha
Entrega-se à embriaguez

Pra certas coisas que ocorrem é melhor esquecer mesmo
O amor é algo indiscutível
Ele não se compra
A preço de nenhum dinheiro

Eu sigo vivendo como uma mosca voando em vão
Trabalhando suado
Em troca de ter, nos finais de semana, alguma diversão

Talvez a solução seja um vereador eu me tornar
Prometer às moscas que vou educar
Vou me eleger certamente
Pois moscas não sabem votar

Moscas não sabem opinar
Moscas não sabem ler
Moscas não sabem organizar
São fáceis de alguma coisa as fazer se submeter

Mas de repente mudei de opinião
Acho que prefiro ser, não uma metamorfose ambulante, mas sim a mosca da sopa
Sugou tudo até encher a barriga e não pagou a conta

Viver de caridade seria demais
E muitos vivem das "bolsas da vida" que a mosca gerente de nove dedos concedeu
Não ensina como as moscas devem buscar seu mantimento
Entregando-lhes de mão beijada, sem sacrifício, e de quatro em quatro anos é novamente eleito

Por causa de moscas eleitas não temos igualdade social
Por causa de moscas corruptas não nos enquadramos em um padrão mundial
De exemplo a ser seguido
Ainda vivemos como moscas-mendigo

Ainda me pergunto, que tipo de mosca sou eu?
Que moscas são vocês, hein?
Não sei, pois moscas não pensam
E se não pensam, logo, não existem

Daniel
13/10/2008

Um comentário:

Arafat disse...

sou a mosca tsé-tsé.

muito sono, muito sono, não entendeu? é muito sono mesmo.