segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013


BOA NOITE, JOSÉ

Eu já não sei mais...
Mas talvez não precise mesmo mais saber.
Sobre a falta que ele me faz.
Ou sobre a falta que um dia ele me fez?!
A gente se acostuma?
A gente consegue substituir?
Não, o cheiro ainda é o mesmo.
É o mesmo que eu ainda bem me lembro.
E o amor também.
Esse eu jamais esquecerei.
Esse eu jamais deixarei de sentir.
Porque simplesmente é verdadeiro.
Não deixa a gente mentir.
Não deixa o ente partir.
Porque a saudade, a lembrança, e a importância, são maiores que o tamanho do coração.
São maiores que qualquer aflição pela sua ausência.
E vivo ele se mantém então.
É como se ainda eu desse bom dia todos os dias.
É como se ainda eu abrisse os olhos de madrugada e o visse ali bem ao meu lado.
Às vezes eu olhava para ver se estava respirando. É, eu tenho essa mania.
E estava.
Mas um dia parou, e foi para um lugar que não precisa mais de ar.
Evoluiu.
Partiu sem pré aviso, pois avisar perde a graça.
Deixou a existência física e caminhou para a existência espiritual.
E até hoje eu tenho notícias suas por intermédio de meus sonhos.
Boa noite, José. 
Eu que me parto agora após lembrar de você.

DANIEL BEDOTTI SERRA 

2 comentários:

Isilda disse...

Sabe filho, tenho sentido saudades demais dele,acho que é pq eu me sentiria muito mais segura se ele estivesse perto de mim nesse momento.Se bem que ele é tão presente que como vc disse a gente ainda sente o cheiro dele por aqui. As vezes ele vem me ver, eu sei quando isso acontece, muitas vezes durante a madrugada eu vejo ele andando por aqui. Pessoa incrivel, impossivel não lembrar à todo momento.Ele me faz muita falta, como vc também. Te Amo filho,que nunca vc perca o dom de escrever tão bem sobre sentimentos.

CE disse...

Bom se esse boa noite fosse apenas temporário, mas não é.

“O que amamos profundamente nunca podemos perder, se torna uma parte de nós.” (Helen Keller).